Número total de visualizações de página

sábado, 24 de setembro de 2011

ÓVULO



(Dedicado à Poeta Lila Marques)

É nas nossas mãos abertas
Que brotam como gritos mudos
Flores perfumadas de amendoeiras
Um mar de estrelas iluminando sonhos.

Não sei bem o nome que lhe dê
Sei que dos olhos nascem goiabas
Das emoções que ninguém vê
O misticismo único da lua cheia.

Ah, soubera eu o nome concreto
Deste agitar de pássaros sem asas
Que chilreiam por entre o silêncio
Que esvoaçam num céu de palavras
Talvez eu descobrisse finalmente o mundo
Onde nascemos filhas do mesmo óvulo.

(VÓNY FERREIRA)
Nota: Este poema foi inspirado no da Lila Marques intitulado "Nome" Leia aqui...
http://www.liriolilasblogspot.blogspot.com/ 

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

O começo do fim!



Cega de te ver ainda mais longe
A distância vai oprimindo
As pulsações de um coração cansado.
Os crisântemos já não florescem
Nas lágrimas que alimentam o sorriso.


O que é feito de nós?
Em que labirintos nos perdemos?
Somos o queríamos?
Ou apenas o que sonhamos?

Ah, e nós que descobríamos o sol
No Himalaia, gelado, gelado…


Que velejávamos em caravelas
Agarrando a espuma das ondas
Com as nossas mãos entrelaçadas
Com cânticos de cigarra na voz
Sentindo que o mundo, começava em nós…!

(VÓny Ferreira)

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

DEIXA-ME SER...



Deixa-me ser o teu veneno

o nada que semeia o teu sempre

o segundo breve da tua intuição.



O mel puro que se dilui

no beijo que morre nos teus lábios

e renasce escaldante no meu coração.



Deixa-me ser a promessa iniciada

no fim da linha onde me dissipo

segura de tudo e de nada!


(VÓNY FERREIRA)