Número total de visualizações de página

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Da Poeta Brasileira (AMORA) Outonal...

E havia no céu uma pedra amarela que volta e meia deixava-se derramar por sobre o meu corpo. E, depois de passados alguns sorrisos, era essa chuva de abril que entrava pelas frestas da memória, noturnando a vida. Era assim o desfile das horas no encalço do teu perfume; teu nome, em letras de fôrma, e a inscrição do impossível. E havia ainda, atrás da porta do nunca, uma música pobre - estandarte de nós dois – tremulando. E depois de passados o sódio e o silêncio, era a alegria de maio que me agudizava o corpo, justificando o nada. Era assim a procissão dos dias, na intencionalidade da dor; tua ausência servida em pedaços e a repetição do novo. (AMORA)

 "Era o meu sonho ter várias vidas. Numa eu seria só mãe, em outra vida eu só escreveria, em outra eu só amava"


1 comentário:

Lápis Sem Ponta disse...

Que lindeza!!!
Adorei!!!
(Abraços)
Lápis