Número total de visualizações de página

domingo, 15 de abril de 2012

QUANDO TIVERES QUE ME DIZER ADEUS poema de Vóny Ferreira

Quando tiveres que me dizer adeus 
Olha primeiro os olhos meus …

…E se neles avistares o acinzentado da dor
Então, vai, não me digas nada
Poderás ir-te embora, meu amor!

Quando tiveres que me dizer adeus
 

Ouve primeiro o choro desesperante
Da minha alma esfarrapada
Vê primeiro como serei sem ti

desgraçada.
E depois…
Ao saberes-me em tal desalento
FOGE…
Foge…
Para não te perseguir
toda a vida o meu tormento.

Quando tiveres que me dizer adeus
Deixa que o vento enternecido
Te chore a minha magoa
Deixa que o mar imenso
no seu deslizar tristonho
Te exprima todo o meu flagelo
Sem um queixume!

Quando tiveres que me dizer adeus
 

Vê primeiro a minha amargura
que aos poucos me irá matar .
Depois, sim.!
Poderás ir embora…
Sem te penalizares com a dor que me devora.

Quando tiveres que me dizer adeus
 

Ouve a minha voz cálida mas sempre chorosa
Avista como é triste a escuridão
de uma noite chuvosa
Reflecte… ah… meu amor!
Porque com essa noite triste
Na minha alma brilhará
somente a escuridão!
 

Se… quando tiveres que me dizer adeus
 

Avistares ou ouvires
Tudo quanto neste poema descrevi
Não…
Não me olhes nunca nos olhos
Então…
Poderás finalmente falar em silêncio
desse temido ADEUS
Poderás partir
sem uma réstia de compaixão
Porque só o brilho FRIO
que eu avistar nos olhos teus
Matar-me-á  PARA SEMPRE..
A esperança do coração!
Vóny Ferreira


Nota: conheça a biografia da autora aqui: Blog "OS MEUS POETAS SÃO... http://pipinhasferreira.blogspot.pt/2011/12/o-que-sao-as-minhas-palavras.html

Sem comentários: